Nasceu o DTx Digital Transformation CoLab

O DTx Digital Transformation CoLab – Experiencing the Future é um novo laboratório colaborativo que desenvolverá atividades em três polos principais divididos pelo Minho (Braga – Guimarães), Matosinhos e Évora, e que contará com o CCG como parceiro associado.

A escritura notarial de constituição do Laboratório Colaborativo em Transformação Digital (DTx) – Experiencing the Future, decorreu a 10 de maio, em Guimarães. O “DTx CoLab” possui o estatuto jurídico de associação sem fins lucrativos.

O CoLab será coordenado pela Universidade do Minho e liderado pelo professor catedrático António Cunha.

Dtx

Fotografia Diário do Minho

Objetivos do DTx Digital Transformation CoLab

O DTx Digital Transformation CoLab tem como grande objetivo abordar os novos paradigmas em produtos, nos serviços e na interface homem – máquina, assim como as consequentes mudanças na indústria e na sociedade, enquanto promove a pesquisa colaborativa e o desenvolvimento tecnológico, fazendo a ponte entre o conhecimento académico multidisciplinar e as diversas competências industriais.

Para além do objectivo da investigação aplicada em diferentes áreas associadas à transformação digital, este laboratório tem como finalidade criar emprego qualificado e emprego científico em Portugal, pela implementação de agendas de investigação e de inovação orientadas para a criação de valor económico e social.

Entidades participantes

O DTx conta com 18 parceiros/associados: Universidade do Minho; Universidade de Évora; Universidade Católica Portuguesa; Centro de Engenharia e Desenvolvimento (CEIIA); Laboratório Ibérico Internacional de Nanotecnologia (INL); Bosch Car Multimedia; Accenture; Embraer Portugal; IKEA Industry; Cachapuz-Bilanciai; Celoplás; ebankIT; Neadvance; NOS; Primavera; Simoldes Plásticos; TMG Automotive e WeDo Technologies.

Como membros afiliados estão os centros de inovação: Centro de Computação Gráfica (CCG) e Polo de Inovação em Engenharia de Polímeros (PIEP).

Atuação

O Colab DTx tem sede em Guimarães, onde também terá laboratórios, assim como em Braga, Matosinhos e Évora.

A somar ao financiamento dos seus associados está o apoio de 7,5 milhões de euros assegurado pela FCT (Fundação para a Ciência e a Tecnologia), no âmbito do Programa de Criação de Laboratórios Colaborativos.

“O projeto e o desenvolvimento de produtos-sistema ciber-físicos, bem como de sistemas evolutivos, integrando, por exemplo, materiais inteligentes, tecnologias de fabrico digital e soluções baseadas em inteligência artificial, serão o alvo deste Colab no âmbito de uma forte colaboração entre entidades do sistema científico e do tecido económico-produtivo, com parceiros internacionais de referência, como por exemplo o MIT”, segundo a nota de imprensa.

Os projetos do DTx abordarão a digitalização no desenvolvimento de produtos, de sistemas e de soluções de fabricação, de acordo com os roteiros tecnológicos do laboratório colaborativo e com os desafios dos parceiros.

Estas atividades serão desenvolvidas por pessoal contratado, por equipas das entidades participantes e por estudantes de doutoramento e de mestrado.

A FCT tinha aprovado no final de 2017 a proposta de criação do DTx, com “grande reconhecimento pelo seu valor científico e pertinência na contribuição para o desenvolvimento estratégico de Portugal.”

Mais info no site oficial DTX Digital Transformation CoLAB.