O UMC "Urban and Mobile Computing" é o domínio intrinsecamente ligado à Computação Urbana, posicionando-se como uma área emergente, que pretende proporcionar às pessoas experiências novas e mais completas, na sua vivência do espaço urbano, através de novas aplicações computacionais. 

Os espaços públicos, e mesmo os sistemas de transportes, integram, cada vez mais, um maior número de dispositivos computacionais. As redes de comunicações sem fios e móveis estão também omnipresentes e as pessoas são adeptas de dispositivos pessoais de computação e de comunicação eletrónica.

Este novo ambiente tecnológico está a mudar a forma como utilizamos o espaço urbano e como interagimos, e sugere a criação de novas aplicações que permitam às pessoas percecionar e utilizar os espaços de formas mais ricas e diferentes.

A capacidade para se explorar convenientemente este ambiente tecnológico exige que a cada instante se conheça a situação dos utilizadores deste espaço e o estado dos próprios espaços. Modelar a natureza dinâmica dos espaços é entendido atualmente como fundamental para o desenvolvimento de espaços inteligentes.

Perceber como é que as cidades mudam ao longo do tempo e como é que são usadas pelas pessoas permite ainda criar novas vistas sobre os espaços e pode contribuir decisivamente para ajudar em atividades como o planeamento urbano ou o projeto de novas infraestruturas.

Assim, alguns dos atuais desafios de investigação incluem:

  • a monitorização de espaços públicos em tempo real e a respetiva recolha de dados;
  • a fusão de dados;
  • a construção cooperativa de mapas;
  • a visualização da dinâmica das cidades.

No CCG, a área de Computação Móvel e Urbana mantém uma forte ligação com o grupo de investigação em Sistemas Móveis e Ubíquos da Universidade do Minho, bem como desenvolve atividades regulares em colaboração com outros laboratórios de investigação e universidades. Esta cooperação permite a adoção de uma abordagem fortemente multi-disciplinar aos problemas encontrados nos vários projetos, e contribui também para a identificação de desafios de investigação relevantes para os investigadores envolvidos.

Como exemplos de atividades nesta área podem referir-se:

  • a investigação em sistemas de localização em tempo real para ambientes interiores e exteriores;
  • o desenvolvimento de espaços inteligentes sensíveis ao contexto para sistemas de transportes públicos.