CCG integra a rede MDevNet

O CCG passou a integrar uma nova rede de grupos de trabalho intitulada MDevNet: Rede Nacional de Transferência de Conhecimento de Dispositivos Médicos, por intermédio do seu domínio de investigação aplicada Perceção, Interação e Usabilidade (PIU).

Rede MDevNet: objetivos e membros

O projeto MDevNet visa a valorização do conhecimento desenvolvido por entidades do sistema de I&I sobre dispositivos médicos de base tecnológica através de processos de transferência de tecnologia eficazes para a indústria.

Desta forma reúnem-se nesta rede profissionais e investigadores da área de dispositivos médicos tendo em vista a criação de um manual de boas práticas para a certificação deste tipo de dispositivos, de acordo com o regulamento europeu recentemente reformulado.

A rede MDevNet é formada por diversos membros: entidades de valorização da transferência de tecnologia, empresas e entidades públicas, representantes da academia e dos utilizadores finais.

30706582_169258387127919_7799209384566849536_n

Participação CCG/PIU na rede MDevNet

Carlos Silva, coordenador de desenvolvimento do domínio PIU, e Joana Vieira, analista de usabilidade do mesmo domínio, estão a participar no grupo de trabalho desta rede intitulado “Levantamento de obstáculos e promoção de mecanismos interação entre as entidades nacionais participantes no processo de co-desenvolvimento e co-validação de dispositivos médicos”.

Com a recente renovação do regulamento europeu para os dispositivos médicos (Regulamento (UE) 2017/745), é objetivo do PIU incorporar práticas de usabilidade no processo de certificação de dispositivos por parte dos seus fabricantes. Note-se que o processo de certificação de dispositivos médicos, tanto na Europa como nos EUA, exige a apresentação de resultados de testes de usabilidade com utilizadores reais.

Ambos os representantes do CCG neste grupo de trabalho possuem experiência neste processo de certificação, além de investigação fundamental (Projeto Paterson) e aplicada na área de dispositivos médicos (fatores humanos, novas taxonomias de erros, análise de risco).

A posição do CCG tem sido reforçar a importância da documentação de ocorrências passadas, e dos testes analíticos e empíricos de usabilidade, envolvendo os profissionais de saúde que irão lidar com estes dispositivos.